Parte do inglês que eu aprendi nessa vida foi com música, quando eu saí do interior pra capital, comecei a estudar por conta e foi com música que eu comecei a entender e traduzir sozinha o idioma. O Linkin Park foi uma das bandas que eu estudava inglês, conheci eles nessa mesma época e além de tudo, eles também me ajudaram a superar os problemas que tive no começo da adolescência.

Eu sou fã de muita gente e de muitos artistas dos anos 80, 90 e 2000, foram eles que me ajudaram quando eu tive problemas, eles me mostrava nas músicas que eu não era a única a sofrer com o peso do mundo e da vida que estava mudando. Músicas com letras tristes podem ser a saída de uma vida triste, quando notei que eu não era a única e que aqueles artistas estavam superando e tendo êxito em suas vidas, mesmo depois dos problemas, eu vi que podia também e tirei minha força da força deles.

Hoje, no trem, voltando pra casa, cheguei a fazer uma lista de itens para escrever aqui sobre Chester, a banda e minha vida relacionada a tudo isso, mas se tornaria um texto jornalístico, com coisas que outros críticos de música e também médicos comentarão e vocês poderão ler em outros sites, sobre a pressão dos fãs, haters, mídia... sobre depressão, drogas, suicídio... Mas nem peguei meu caderninho, é quase meia-noite agora e eu estou escrevendo de coração, apenas passando pra cá o que estou sentindo.

Lembro que em 2014 viajei pra SC e choveu, ficamos no hotel olhando tv uma tarde inteira e vi um documentário que contava a história da banda, naquele dia meu amor e respeito por cada um deles aumentou, me motivei a correr atrás de muitas coisas e senti um orgulho danado de todos, aquilo fez o sentimento de fã ficar mais forte e hoje pensei que mesmo depois de tantas vitórias, Chester nos deixou.

Não pude ir no show que fizeram em Poa, faltou dinheiro, hoje o sentimento bateu forte e sofri muito por pensar que eu perdi a chance de ver ele de perto (de ver a banda toda, que a gente nem sabe se vai seguir ou não - eu acho que deveriam parar). A voz, o jeito, a presença, o sentimento do Chester no palco, cada live que já vi e que ainda verei me fazem ter orgulho da pessoa que ele foi e do legado que fica, não só pros 6 filhos dele, mas pra todos que amamos Linkin Park e que aprendemos com eles.

Nem vai dar pra colocar uma foto nesse post porque estou correndo pra postar ainda no dia 20, mas a lembrança que fica é dos alargadores nas orelhas de abano, das tatuagens conhecidas nos pulsos e do sorriso, que além da voz, completavam o combo apaixonante chamado Chester Bennington.

Hoje eu chorei muito, estou me segurando pra não chorar escrevendo este texto, mas o amor e a gratidão são maiores do que a tristeza. Obrigada por ter me ajudado com tuas músicas, obrigada por ter me ajudado a prender inglês, obrigada por ter me feito gostar de vocais "rasgados" numa época que eu me negava a ouvir músicas assim, tu marcou uma fase nova da minha vida, Chester, me fez conhecer estilos que amo até hoje e colaborou pra minha sanidade mental.

Tu nunca soube da minha existência, eu jamais pude te ajudar como tu ajudou tanta gente (mesmo sem saber), mas obrigada mesmo assim, tu já está num lugar melhor, vendo todo esse nosso amor, infelizmente é tarde e não te traremos de volta, mas tu está vivo no nosso coração e viverá pra sempre, onde tiver alguém te ouvindo cantar.

Muito obrigada Chester Bennington, a dor acabou, tu está livre agora, segue cuidando da gente, seja onde tu estiver. <3


Primeiramente (FORA TEMER!), estou desde o dia 25 de maio tentando concluir este texto, mas fico mal sempre e salvo o rascunho, me dói falar sobre este assunto, mas vamos lá!

Seja do cinema, música, artes plásticas, pelo menos uma vez na vida todo mundo já admirou alguém a ponto de se tornar fã, saber tudo sobre o ídolo e sonhar conhecê-lo/a, conversar e abraçar ele/a.
Eu sou fã de muita gente, com o tempo vou falando mais sobre isso por aqui, mas existe um cara, que eu sou fã desde que vi a primeira foto dele, numa época que eu nem tinha computador em casa, eu nem lembro quantos anos eu tinha, se eram 9, 10... sei lá!
Gostei da foto, descobri o nome dele, eu já gostava da banda, comecei a descobrir tudo, ler, juntar moedas pra comprar revistas e posters, eles explodiram no mundo todo, o amor aumentou...

Estou falando de David Phillippe Desrosiers, o baixista da banda Simple Plan. Desde que conheci abanda ele sempre foi meu preferido, tudo o que se pode saber sobre ele, eu sei, acreditem, eu sei muita coisa sobre ele, são praticamente 15 anos de stalk, amor, dedicação e todos outros sentimentos lindos que eu tenho por ele. Na época do Orkut, eu adotei o sobrenome dele pra mim (fui a "_ Srta. Desrosiers... por muitos anos), no Twitter sempre fui Tinah Desrosiers, fiz conta no Facebook e o nome foi junto, todo mundo me conhecia como Tinah Desrosiers, foi difícil e dolorido tirar o sobrenome dele pra assumir o meu verdadeiro sobrenome.
O que quero dizer com tudo isso é que eu sempre amei muito o David e sempre tive momentos felizes sendo fã dele, a banda sempre foi meu consolo em momentos ruins, David sempre me fez rir demais com as palhaçadas, eu não sei explicar direito esses sentimentos, mas ele sempre foi (é e sempre será) uma das coisas mais importantes da minha vida. Tive a chance de conhecê-lo, conversamos um pouco, ele foi um amorzinho, não tenho motivos pra falar mal dele.

Até que foi anunciada a tour na América do Sul em 2016 e a banda avisou às vésperas que David não viria porque estava com problemas pessoais, eu fiquei numa tristeza sem fim, claro que me alegrei porque mantiveram os shows marcados, mas eu sabia que David faria falta (como realmente fez e fez muita falta!), mas o pior foi ficar sem saber o motivo real, problemas pessoais é uma justificativa muito abrangente, cheguei a saber de um boato sobre a irmã dele estar doente, mas nada se confirmou, meu medo era ele estar com problemas decorrentes da alimentação vegana ou ele estar com depressão.

2017 começou e ele voltou a tocar com o Simple Plan, a impressão era de que tudo havia passado, que ele estava 100%, foi aí que, no dia 25 e maio, anunciaram que David estaria de fora da Tour na Europa, o motivo; depressão. Minhas desconfianças estavam certas, o homem que eu mais amo nesse mundo, doente, sofrendo com uma doença silenciosa, que chega sem avisar e machuca de uma forma tão forte que as marcas podem permanecer por muito tempo. Ele mesmo fez um post avisando, eu tinha acabado de acordar e dei de cara com isso tudo, sofri muito, chorei, me senti inútil por estar tão longe, por ele nem lembrar de mim e eu não poder dar um abraço e falar que estou do lado dele pra ajudar. =(

Hello everyone. It is with regret that I must announce that I will not be able to join the guys on the upcoming European tour. I have battled depression on and off for a long while now but the time has come to explain why there are times when I cannot be with my bandmates playing shows for you. At the moment, I am fighting a major depression that prevents me from enjoying life and doing the things I love such as playing music. Many of our songs, and our work with the Simple Plan Foundation, speak of the hope that must be kept in difficult times. I truly believe in this message and I assure you that I will be back soon! David. Bonjour à tous. C'est avec regret que je dois vous annoncer que je ne pourrai pas me joindre au groupe pour la prochaine tournée européenne. J'ai lutté contre quelques épisodes de dépression pendant longtemps, mais le temps est venu d'expliquer pourquoi il y a des moments où je ne peux pas être avec mes "bandmates" et jouer pour vous. Je combat présentement une dépression majeure qui m'empêche de profiter de la vie et de faire les choses que j'aime tel que de jouer de la musique. Plusieurs de nos chansons ainsi que notre travail avec la fondation parlent de l'espoir qu'il faut garder dans les moments difficiles. Je crois vraiment en ce message et je vous assure que je serai de retour bientôt. David.
Uma publicação compartilhada por David Desrosiers (@daviddesrosiers) em
Todos esses dias eu não me pronunciei, não postei nada, não conversei sobre isso nos grupos, eu simplesmente me mantive quieta, torcendo por ele, pensando nele cada dia, querendo fazer alguma coisa que realmente funcione pra ajudar o David a se recuperar, mas eu não sei o que fazer, até mesmo este post está demorando muito pra ser feito porque eu nem sei o que falar.

Sem entrar em detalhes sobre a doença, quero ver ele curado, quero que ele volte pro Brasil, quero mostrar de algum jeito que eu sempre estive com meus pensamentos e meu coração junto à ele nesses tempos complicados. O apoio dos fãs é a força extra que ele precisa pra se recuperar, mesmo que estejamos longe, ele sabe que nosso amor só aumenta e quero que ele pense em nós como eu pensava nele e na banda quando tive minhas crises, o Simple Plan me ajudou demais quando estive depressiva e eu sei bem a diferença que faz sentir que a gente é amado e querido pelas pessoas.
Ontem soubemos que David talvez volte a tocar com a banda em agosto, eu realmente torço pra que seja uma volta definitiva. Me preocupo muito com ele, quero ver ele bem, no palco, sendo feliz e nos fazendo felizes. Não temos nenhuma nota oficial sobre a volta dele, mas todos fãs estão torcendo pela recuperação do David, mais importante do que vermos ele nos shows, isto seria um sinal de que ele está superando essa doença horrível e ele teria mais provas do nosso amor e do quanto estamos nessa luta com ele. Existe uma campanha de apoio ao David, criada pelos fãs brasileiros para demonstrar nosso amor e eu espero que ele tenha visto ou que alguém tenha contado para ele sobre isso.

Este post é minha forma de ajudar na campanha, mais uma forma que eu tenho de dizer o quanto o amo e o quanto estou torcendo e rezando pra que ele se cure. Mesmo estando tão longe, meu coração está com ele, sou muito grata por tudo o que David fez por mim sem saber, o Simple Plan me manteve a salvo numa época que eu pensei em desistir de tudo, David é o maior motivos dos meus sorrisos, é o homem que eu mais amo nesse mundo, eu faria qualquer coisa pra ver ele feliz, saudável e curado! Este dia chegará, está perto, eu acredito. Num futuro próximo, ele voltará para o Brasil, nos veremos de novo e eu poderei agradecer mais uma vez por ele fazer parte da minha vida e ser um dos meus grandes motivos para ser feliz.

Tudo o que eu quero é que esse sorriso lindo que vimos nas fotos volte a ser estampado nas fotos da turnê e que seja um sorriso sincero, cheio de sentimentos bons. Seja como for, independente do motivo, meu amor por ele não se abala e eu sempre torcerei para que ele esteja bem, feliz, saudável e que possa seguir inspirando e ajudando tantas pessoas. <3

#HereForDavid 

Todas as fotos do post são de autoria de Chad Awad.


No dia 4 de junho de 2002 eu tinha 9 anos de idade, estava na 4ª série do Ensino Fundamental, morava em Santana do Livramento e minha vó estava nos seus últimos meses de vida (eu nem imaginava isso, mas ela estava). Eu tenho muitas lembranças daquela época, boas e ruins, inclusive lembranças musicais, desde que minha mãe estava grávida de mim a música sempre esteve muito presente na minha vida e eu marco acontecimentos com músicas, artistas e álbuns.

Eu nem imaginava, mas aquele ano seria um marco na minha vida e o dia 4 de junho de 2002 é uma data a ser lembrada, estava sendo lançado o primeiro cd da carreira de uma loira, canadense, que tinha sido descoberta depois de cantar na igreja e em festivais de música country, eu conheci ela algum tempo depois, ainda em 2002, vendo na tv os clipes das músicas e eu não fazia ideia que aquilo mudaria muita coisa na minha vida, era Avril Lavigne, lançando o LET GO.

Eu adorava o fato dela usar qualquer roupa, ser cantora, skatista, roqueira e acima de tudo, uma guria adolescente fazendo tudo aquilo, sendo tudo aquilo. Esse lance de representatividade é uma grande verdade, Avril se tornou um exemplo pra mim e as músicas que apareceram como diversão lá quando eu tinha 9 anos, foram se tornando hinos e conquistando significados que carrego até hoje. Eu cresci escutando as músicas dela, somos da mesma geração, me tornar adulta na mesma época de uma pessoa que me inspira e me ajuda a lidar com os problemas foi incrível.

Sou grata até hoje por esse cd, pelas palavras que Avril colocou em cada música, por cada vez que ela apareceu na tv mostrando quem era e tenho muito orgulho de estar com a Avril desde 2002, desde o começo. São 15 anos de amor, dedicação, sofrimento, sonhos... 15 anos sendo fã e tendo Avril como espelho. São 15 anos que ela me dá suporte psicológico sem fazer ideia da minha existência! O aniversário é do cd, os 15 anos de carreira são da Avril, mas nós, como fãs, nos sentimos e sabemos que somos um pedaço disso tudo e nosso orgulho por fazer parte disso é imenso!

Eu nunca fui num show dela, são 15 fucking anos esperando por isso, mas eu espero o tempo que for, meu amor de fã e minha gratidão não serão afetadas. Nesse tempo todo tantas coisas mudaram, Avril mudou, eu mudei, a vida nos pregou peças, mas seguimos em frente, espero um dia ter a chance de agradecer pessoalmente por tanto tempo e por tanta importância que ela e as músicas dela têm na minha vida.

Obrigada, Avril, por ser um pedaço da minha História. Eu te amo!

Pra quem quer relembrar ou nunca ouviu tudo, aqui está o 'Let Go' completo: